A Pesquisa

“Vozes na Escola” é um grupo de pesquisa que focaliza contextos de diversidade, ou seja, de minorias lingüísticas, a saber, indígena, imigrante rural e de fronteira e também o contexto de pessoas surdas no Brasil, um país que se denomina monolíngüe e que dificilmente aceita conviver com as chamadas “variedades” da língua portuguesa do Brasil além daquela elevada à condição de língua oficial ou “variedade” padrão. Na observação desses contextos minoritários, que têm em comum o fato de serem de tradição oral e de serem muito mais complexos social, cultural e lingüisticamente do que à primeira vista aparentam, buscamos implicações para contextos de maiorias minoritarizadas social, cultural e/ou lingüisticamente. A contribuição do grupo de pesquisa é realizada através da formação de pesquisadores (12 teses de doutorado concluídas, 06 em andamento, e 06 dissertações de mestrado concluídas; 06 em andamento), da formação inicial e continuada de professores indígenas (no Acre, na Bahia, no Xingu), no desenvolvimento da pesquisa propriamente dita, incluindo-se aqui os estudos (etnografia da sala de aula) realizados por doze professores indígenas do Acre em curso de educação continuada, nas publicações em forma de artigos e também capítulos de livros, na coordenação da elaboração de material didático por professores indígenas, na docência (dos pesquisadores e pesquisadores em formação) em cursos de magistério indígena. A atuação do Grupo também tem sido realizada em escolas públicas onde se concentram alunos em contexto de migração rural e em contexto de migração urbana. Em todos esses contextos, estuda-se a relação entre letramentos como práticas sociais, e questões lingüísticas e sócio-político-ideológicas (Vide Cavalcanti, 1999, 2006, 2007). Nossa contribuição de pesquisa surge tanto na teorização a partir da análise de dados (grounded theory) como através de um olhar sempre atento para a problematização da teoria.